Capacitações

Funcionários da hemodiálise são capacitados nos Protocolos de Segurança do Paciente

09/08/2018

Nesta quinta-feira (9) a equipe multiprofissional do setor de hemodiálise da Santa Casa de Campo Grande participou de uma capacitação para aplicação do Protocolo de Identificação do Paciente, ministrada pela enfermeira do Núcleo de Segurança do Paciente, Ana Beatriz Ferrari, com apoio na elaboração e realização da liderança de enfermagem do setor, Eliana Gomes, e Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH). Ao todo 25 profissionais participam dos treinamentos que seguem até a próxima quinta-feira (16), abordando este e outros cinco protocolos fundamentais para evitar eventos adversos no local. 

 

Os treinamentos foram divididos entre os seguintes protocolos: fluxo de notificação, implantação do check list, protocolo de higienização das mãos, protocolo de identificação do paciente, protocolo de flebite e protocolo de queda. O objetivo principal é adequar a implantação dos protocolos de Segurança do Paciente no serviço de hemodiálise, atendendo a legislação do Ministério da Saúde, disponibilizando uma assistência de qualidade.  

 

O Núcleo de Segurança do Paciente foi implantado com o intuito de apontar situações de risco e traçar estratégias para prevenção de incidentes na Santa Casa. Com os treinamentos, algumas ações definidas pelo setor de hemodiálise, juntamente com o Núcleo, irão minimizar situações que podem levar a eventos adversos desde a admissão de pacientes ambulatoriais ou procedentes de outras unidades do hospital até à transferência para o setor de origem e sua alta.

 

A enfermeira, Ana Beatriz, explica a importância do treinamento no setor e o comprometimento dos funcionários do local. “Os pacientes renais crônicos apresentam diversas comorbidades e necessitam de uma atenção mais abrangente da equipe multidisciplinar, portanto, é de fundamental importância antecipar o aparecimento dos possíveis eventos adversos. Para isso existe a necessidade de identificar os pontos vulneráveis e mapeá-los para analisa-los, inibindo assim, o surgimento do evento”, explicou.