Cotidiano

Após seis meses de espera, feirante comemora novo órgão

06/11/2018

Há dez dias a feirante, Jociane Aparecida de Oliveira Buzo, comemora o novo órgão recebido por meio do transplante renal realizado no último dia 26 de outubro pela equipe de urologia da Santa Casa de Campo Grande. Após seis meses na lista à espera de um doador falecido, ela se vê, aos 36 anos, feliz e livre da máquina de hemodiálise. Este é o 11° transplante renal do ano com doador falecido.

 

O problema renal da paciente começou em decorrência da hipertensão diagnosticada durante consulta de rotina há cinco anos. Nesse período, Jociane lembra de estar muito inchada, principalmente nos pés e mãos, e com a pressão desregulada, foi quando resolveu voltar ao médico, desta vez, em uma Unidade de Pronto Atendimento e refazer todos os exames. Quando voltou para buscar os resultados, descobriu que a pressão arterial alta tinha causado problemas nos rins. “Quando o exame ficou pronto, o médico percebeu algo muito sério nos meus rins e fui rapidamente encaminhada para uma unidade hospitalar. Soube, então, que meus rins já estavam muito comprometidos por conta do inchaço e com mais de dez litros de líquido. Passei muito mal naquela época e cheguei a ficar muito tempo internada e foi então que minha luta começou”, comenta. A partir do diagnóstico ela iniciou as sessões de hemodiálise por um ano e cinco meses.

 

Passado algum tempo Jociane começou a fazer todos os exames para aguardar o transplante com doador falecido, processo este que demorou meses para finalizar. Há seis meses ela foi inserida na lista de espera e contava dia a dia por sua oportunidade chegar. Foi então que no dia 26 de outubro recebeu uma ligação que mudaria toda a sua história. “Era uma sexta de manhã quando avisaram meu irmão que tinha saído um rim para mim. Eu fiquei muito feliz, pois a compatibilidade de era 100% e as chances de uma melhor qualidade de vida era garantida. Como eu esperei por isso”. 

 

Com o novo órgão em pleno funcionamento a paciente não pôde deixar de agradecer aqueles familiares que mesmo em meio um momento de dor foram os facilitadores da sua vida e de aconselhar quem ainda enfrenta a batalha. “Eu agradeço muito a família que me permitiu ter uma nova vida, sou grata a todos. Peço aos colegas que ainda aguardam por um órgão ou até mesmo aqueles que não iniciaram o processo que tenham fé e esperança, pois em breve o seu doador vai chegar. Hoje eu tenho prazer em beber água e comer frutas, pois já consigo urinar coisa que era impossível de acontecer antes”.

     

A equipe médica responsável pelo transplante foi o médico urologista, Dr. Adriano Lyrio e médico residente, Dr. Antônio Deotti, além da médica nefrologista responsável pela paciente, Dra. Rafaella Campanholo Grandinete e toda equipe multiprofissional do centro cirúrgico.